Apresentou-se com a Orquestra de Paris, a Orquestra Nacional de França, a Filarmónica da Rádio da França, o Conjunto Orquestral de Paris, as Orquestras de Bordeaux, Lille, Montpellier e Toulouse, a Orquestra Nacional da Bélgica, a Orquestra Filarmónica Real de Liège, a Filarmónica de Roterdão, a Orquestra da Rádio de Berlim, a Orquestra do Gewandhaus de Leipzig, a Filarmónica de Londres, a Orquestra de Gales da BBC, a Orquestra Nacional Real Escocesa, a Orquestra Sinfónica de Göteborg, a Orquestra Real de Copenhaga, as Orquestras da Suíça francófona e Suíça italófona, a Filarmónica de Tóquio, a Orquestra Sinfónica de Boston, a Orquestra Sinfónica de Baltimore, a orquestra Sinfónica de Seattle, a Orquestra Filarmónica de Los Angeles… Apresenta-se sob a batuta de maestros como Charles Dutoit, Armin Jordan, Eliahu Inbal, Kurt Masur, Sir Yehudi Menuhin, Yutaka Sado…

Desde 2014, é Diretor Musical da Orquestra Real de Câmara da Valónia.

Para além da sua atividade regular de solista, é apaixonado por música de câmara. Tem como parceiros regulares Roel Dieltiens e o Ensemble Explorations, Maria João Pires, Augustin Dumay, Emmanuel Pahud, Renaud e Gautier Capuçon, Paul Meyer, Gérard Caussé, Eric Le Sage, Mischa Maïsky, Yuri Bashmet…

Frank Braley entusiasma-se, também, com projetos originais. Participou, nomeadamente, numa integral das sonatas de Beethoven, apresentada em 2004 no Festival de La Roque d’Anthéron, em Paris, em Roma e no Brasil, e retomada em 2005 em Bilbao, Lisboa e Tóquio.

A sua discografia galardoada com numerosos prémios (Diapasão de Ouro, Choque do Mundo da Música, “Gravação do mês” da Gramophone) está disponível na Harmonia Mundi, BMG, Virgin Classics e Erato.